Comunicado de condenação de violência no Hospital Psiquiátrico do Infulene

Comunicado de condenação de violência contra Jossias Matlombe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Fórum das Associações Moçambicanas de Pessoas com Deficiência (FAMOD) e a Associação Moçambicana de Usuários de Saúde Mental (AMUSAM) tomaram  conhecimento da bárbara agressão física cometida contra o jovem de nome Jossias  Matlombe então internado no hospital Psiquiátrico de Infulene para tratamento, perpetrada por funcionários desta mesma instituição. Este actos resultaram em  ferimentos graves, escoriações e outras lesões cujos efeitos ainda se poderão agravar.  

Queremos aqui, primeiramente, manifestar a nossa solidariedade para com o jovem  Jossias Matlombe e o seus familiares. Em seguida, condenamos veementemente estes  actos de violência e afirmarmos que os mesmos consubstanciam uma grave violação  de direitos humanos à luz dos instrumentos internacionais que o Estado Moçambicano  ratificou, em particular, a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. O  artigo 15 desta Convenção estabelece que o Estado deve garantir que “Nenhuma  pessoa será submetida à tortura ou a tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou  degradantes”. No caso do jovem Jossias, o Estado falhou na protecção do seu direito à  integridade física e moral, expondo-o às mais bárbaras e desumanas formas de  tratamento. 

O FAMOD e a AMUSAM já vinham alertando para as situações de agressão contra  doentes mentais no Hospital Psiquiátrico de Infulene dados os relatos das pessoas que  tinham passado pelo internamento nesta instituição. O FAMOD reportou estes casos no  seu relatório para o Mecanismo de Revisão Periódica Universal do Conselho de  Direitos Humanos das Nações Unidas, isto depois de a AMUSAM já ter reportado no  seu Policy Brief sobre os Direitos das Pessoas com Deficiências Psicossociais em  Moçambique. Finalmente, este caso reportado na mídia levantou o véu sobre os  abusos que são cometidos nesta instituição, onde alguns acham e agem como esta  fosse uma zona livre dos direitos humanos. 

É tempo de a Comissão Nacional dos Direitos Humanos exercer o seu mandato como  mecanismo de prevenção contra a tortura junto ao Hospital Psiquiátrico. E este  mandato deve ser exercido em colaboração com as organizações da sociedade civil. O  FAMOD e a AMUSAM manifestam a sua disponibilidade para colaborar neste  processo. É também tempo de a Assembleia da República regular o exercício de  poderes de saúde mental por via de lei uma vez que estes interferem com direitos fundamentais como a liberdade, a segurança, a integridade física e moral bem como a  capacidade jurídica. Neste ponto, é importante afirmar que, até ao presente, estes  direitos têm sido restringidos pelo pessoal de saúde sem nenhuma autorização legal.  

Queremos finalmente chamar à acção a Procuradoria-Geral da República, uma vez que  há indícios claros de conduta criminal neste caso. Apelamos para uma rápida e efectiva  resolução deste caso e que todos os agentes directos e indirectos deste crime sejam  responsabilizados conforme a lei. 

Aqui pode obter:

  1. Comunicado em PFD.
  2. Depoimentos/Videos

 

Receba actualizações e fique conectado.

Compartilhe este post com seus amigos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Artigos Relacionados

Doadores e Parceiros